Buscar

Influenciadores surdos relatam dificuldade com publis



A internet abriu muitas portas e quebrou barreiras para os influenciadores com deficiência auditiva. A ferramenta os levou a alcançar quem não fala seu idioma materno, a Língua Brasileira de Sinais (Libras). Mesmo com esse avanço, eles ainda encontram dificuldade em fechar contratos publicitários e conseguir mais visibilidade.


Leonardo Castilho, poeta, ator e educador que acumula mais de 50 mil seguidores no Instagram, ficou surdo com 10 meses de idade. Em conversa com o Glamurama, o influenciador relatou que as empresas pedem um cachê menor a eles com a justificativa de que o português não é a primeira língua de pessoas com essa condição.


Mesmo tendo estrelado campanhas da Chili Beans, Bradesco e Next, e estampado o vídeo “Os Surdos Têm Voz”, do Dr. Drauzio Varella sobre educar e desmistificar estigmas ao redor da comunidade, Leo vê – e sente – a disparidade acontecendo com influenciadores com deficiência auditiva.


Segundo ele, pessoas surdas e sinalizadas (que conversam por meio de gestos) precisam usar legendas e às vezes contratar um intérprete para fazer a voz em português em vídeos de campanhas, enquanto influenciadores não surdos não precisam.



Gabriel Isaac, pessoa com deficiência auditiva desde o primeiro ano de vida, acumula mais de 98 mil seguidores somados em suas redes e já chamou atenção até de Anitta. Mesmo assim, só conseguiu um único grande patrocínio em um período de cinco anos para o Dia do Surdo. Para ele, algumas marcas desacreditam no engajamento e impacto de influenciadores surdos.


“Isso mostra o quanto a comunidade surda é inviabilizada”, afirma Isaac, que tem até um vídeo em seu canal no YouTube sobre a importância da valorização de pessoas com deficiência auditiva no mercado.



Furando bolhas

Ambos os influenciadores veem na internet uma forma de furar bolhas e atingir um público maior. “Percebi que eu podia alcançar muita gente, quebrar barreiras e fazer as pessoas conhecerem o nosso mundo”, conta Isaac.


Já Leo complementa: “A internet não só furou bolhas, mas também ajudou as pessoas surdas a encontrarem a sua comunidade e cultura. É impressionante que, hoje em dia, muitos ouvintes não sinalizados seguem a nossa comunidade”.


Conquistas como essas só foram possíveis devido ao avanço de pautas sobre diversidade. Ainda assim, Leo e Isaac dizem ser necessário haver um aprofundamento na educação para a comunidade surda ser cada vez mais inserida na sociedade.



 

de Gabriela Piva, do Glamurama

LIBRAS-SE, tradução de vídeos para Libras em 24h

www.libras-se.com



6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo